DOAR AGORA

Comemoração da Semana dos Povos Indígenas na aldeia Gavião Ikolen

Comemoração da Semana dos Povos Indígenas na aldeia Gavião Ikolen
27 de abril de 2010 zweiarts

Nos dias 19 e 20 de abril, os povos Gavião de Rondônia

e Zoró do Mato Grosso, comemoraram a semana dos povos indígenas na aldeia Ikolen, da Terra Indígena Igarapé Lourdes, município de Ji-Paraná.

No primeiro dia do encontro houve confraternização entre estes povos, torneio de futebol infantil e adulto, pinturas corporais e danças. No segundo dia, além das atividades culturais, houve um ciclo de debates de temas atuais relacionados à vida diária dos povos indígenas, tais como: políticas públicas para os povos indígenas, gestão e maior autonomia das comunidades, protagonismo indígena, aspectos culturais dos povos Tupi mondé e legislação indígena.

Os debates se deram entre lideranças, professores e pessoas das aldeias. Na parte de legislação, houve participação da Procuradoria Federal especializada da FUNAI e do COMIN. Refletiu-se os principais problemas que afetam as comunidades indígenas de Rondônia e de outras regiões do Brasil, como garimpo, retirada de madeira e outros, a ilegalidade e passível penalidade cabível nesta área, os prejuízos destas atividades nas aldeias e a busca de outras alternativas econômicas sustentáveis.

Refletiu-se também sobre a necessidade de novos conhecimentos nas aldeias para as novas gerações, que acompanham e sofrem influências do mundo globalizado, mesmo nas aldeias mais distantes dos maiores centros urbanos. Para esses jovens é importante que as pessoas de mais idade repassem os valores e conhecimentos culturais do povo Tupi mondé. A cultura para nós é muito importante, ela nos identifica como povo, diz o professor Josias Gavião.

No tocante à legislação discutiu-se o avanço da Constituição Federal de 1988 que passa a tratar, em termos de legislação, os povos indígenas sobre outra perspectiva, totalmente diferente da anterior. Se antes o indígena era tido como pessoa a ser integrada – assimilada – à sociedade nacional, como alguém que estava na tutela da FUNAI, agora, com a CF de 1988 a ótica é totalmente outra. Não se fala mais em integração. A lei maior garante aos povos indígenas o direito de viverem de forma diferenciada, com suas culturas, costumes, línguas e crenças. O Estado deve proteger estes direitos, sendo o desrespeito a eles e o preconceito considerado crime.

Deste princípio básico do direito à diferença surgem os outros direitos específicos, como o de uma educação específica e diferenciada e o da atenção diferenciada na saúde – dentro do Subsistema de Atenção à Saúde Indígena.

No entanto, embora haja nítidos avanços em termos legislativos, na prática ainda há muito a conquistar para que estes direitos tenham efetividade na vida das comunidades. Um exemplo claro disto se tem na proposta de novo Estatuto dos povos indígenas e de toda a sua morosidade de encaminhamento, sem falar na questão da demarcação das terras indígenas. Muito pouco tem sido feito nesta área, até mesmo em situações em que a vida humana chega ao seu limite, como em algumas aldeias Kaiowá no Mato Grosso do Sul.

O encontro foi promovido pela Organização Indígena Padereéhj. Participaram cerca de 180 pessoas dos povos Gavião, Zoró e convidados e colaboradores da FUNAI, Associação do Povo Indígena Zoró, EMATER , Secretaria Municipal de Educação de Ji-Paraná, UNIR, COMIN, FUNASA, Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente de Ji-Paraná e Secretaria Regional de Governo do Estado de Rondônia.

Previous Next
Close
Test Caption
Test Description goes like this
AllEscort