NOTÍCIAS
ANTERIORES
Nota de Pesar - NATALINO GÓG CRESPO
02/03/2011 - Informes

Em 03 de março de 1961 deu-se o início das atividades da Escola Evangélica Indígena na Terra Indígena Guarita. A escola teve a autorização do extinto Serviço de Proteção ao Índio, órgão do governo federal, conforme solicitação enviada pela Paróquia Evangélica de Tenente Portela, instigada pelo P. Norberto Schwantes. Em 03 de março de 2011 será sepultado um dos professores e colaboradores mais atuantes na Educação Escolar Kaingang na TI Guarita e também no Rio Grande do Sul, Natalino Góg Crespo, nascido em 25 de dezembro de 1961. Professor Natalino formou-se como monitor bilíngüe no Centro de Treinamento Profissional Clara Camarão, em curso ofertado no convênio IECLB e FUNAI, na década de 1970, na TI Guarita. Exerceu a docência junto a Escola de Ensino Fundamental Marechal Rondon, atualmente nominada Escola Estadual Indígena de Ensino Fundamental Davi Rỹgjo Fernandes, no Setor Missão/TI Guarita (Redentora/RS), no percurso de quase três décadas. Na década de 1980 também atuou como liderança e tradutor na Comunidade Evangélica Kaingang, junto ao Setor Missão/TI Guarita. Para além da docência o Professor Natalino atuou e participou de vários momentos da implantação da Educação Escolar Indígena na região sul do Brasil, sobretudo no Rio Grande do Sul. Contribuiu na elaboração de diversos materiais didáticos para as escolas kaingang, sendo o último publicado o livro Gufã ag Kajró (2008), no qual foi um dos redatores. Atualmente participava com um grupo de docentes e universitários na elaboração do livro Nén ũ kãme, tynh-tynh, kanhin’nhir: Kinhãg kỹ kynhan ge, sobre jogos, cantos e histórias. Participou de cursos de formação de docentes kaingang nos diferentes níveis: fundamental, médio e superior, por vezes contribuindo na coordenação pedagógica de tais cursos. Representou a comunidade escolar kaingang em instâncias e organismos públicos (p.ex: Núcleo de Educação Indígena – SEE/RS: 2000-2003) e diversas debates, reuniões e seminários e atividades afins, sempre enfatizando a importância da revitalização cultural e o uso da língua kaingang como esteio para a educação escolar kaingang e fortalecimento do povo Kaingang. Em 1999 participou de um intercâmbio pelo COMIN e o Dekanat Sulbach-Rosenberg, junto com sua irmã Ilda Crespo, quando ressaltaram a importância em ser kaingang, tendo a educação como espaço vital para no fortalecimento da identidade e cultura kaingang. Sandro Luckmann Ampliar imagem Professor Natalino com um grupo de alunos no Chap�u de Palha da Esc. Est. Ind�gena de Ensino Fundamental Davi Rỹgjo Fernandes, em 12/nov/2003. O Professor Natalino Góg Crespo retornara no domingo (27/fev/2011), da primeira etapa do Curso de Licenciaturas dos Povos Indígenas do Sul da Mata Atlântica, ocorrido na segunda quinzena de fevereiro de 2011, em Florianópolis/SC, realizado pela UFSC, com apoio do COMIN, CIMI e outras entidades. Neste dia foi acometido por AVC, nas dependências de sua casa, no Setor Missão/Guarita. Familiares acionaram o serviço de emergência da Equipe Multidisciplinar de Saúde Indígena/EMSI-FUNASA, que o encaminhou para atendimento de maior complexidade em Passo Fundo/RS. Conforme informação prestada por um irmão e um filho, o atendimento prestado foi de emergência e Natalino aguardava a transferência para tratamento adequado ao AVC. Contudo não resistiu às conseqüências ao AVC, vindo a óbito na noite de 01 de março de 2011, em torno das 22:45h, em hospital de Passo Fundo/RS. Conforme informação prestada nesta manhã, pelo irmão do Professor Natalino, Abel Crespo, o corpo será velado nesta tarde, sendo o sepultamento na manhã de 03 de março de 2011. Manifestamos, como equipe da Equipe COMIN-ASKAGUARU e demais colegas do COMIN e IECLB, o nosso pesar pela perda do Professor Natalino Góg Crespo. Pedimos a oração, para o acompanhamento e consolo da família enlutada pela morte de Natalino, uma vez que a família ainda sente a dor da perda de Andrea de Lourdes Claudino (26 anos), esposa do Prof. Natalino, que faleceu em 16/set/2010, vítima de tumor no cérebro. Natalino e Andrea tiveram quatros filhos/as, que estão com idades entre dois e oito anos.